segunda-feira, 29 de agosto de 2016

Estudo Bíblico O Jejum Que Agrada a Deus


Seria esse o jejum que eu escolhi? O dia em que o homem aflija a sua alma? Consiste porventura em inclinar o homem a cabeça como junco e em estender debaixo de si saco e cinza? Chamarias tu a isso jejum e dia aceitável ao Senhor? Acaso não é este o jejum que escolhi: que soltes as ligaduras da impiedade, que desfaças as ataduras do jugo e que deixes ir livres os oprimidos e despedaces todo jugo? Porventura não é também que repartas o teu pão com o faminto, e recolhas em casa os pobres desamparados? Que vendo o nu, o cubras, e não te escondas da tua carne?' Isaías 58:5-7

É um costume do povo cristão a prática do jejum em momentos de dificuldade. Quando jejuamos estamos abdicando das nossas necessidades primárias essenciais em prol da busca de resposta e direção de Deus. O jejum é uma arma que o cristão dispõe em momentos de guerra espiritual. No entanto, muitas vezes, o jejum não é praticado da forma correta ou, em certas ocasiões, nem mesmo é aceito pelo Senhor!

Em primeiro lugar, o jejum não pode ser tratado como uma 'penitência' ou 'carga' suportada por aquele que o pratica. Não é do agrado de Deus o sofrimento de seu povo, como está escrito no início dos versículos citados: 'Seria esse o jejum que eu escolhi? O dia em que o homem aflija a sua alma? Consiste porventura em inclinar o homem a cabeça como junco e em estender debaixo de si saco e cinza?' Isaías 58:5.

Também não adianta jejuar se a nossa vida não mudou conforme o evangelho de Cristo! Se continuamos no pecado, na mentira, no engano e na prostituição, desobedecendo a Palavra, estaremos simplesmente 'passando fome à toa', pois o Senhor não atentará para nós.

O jejum que realmente agrada a Deus é aquele feito com um coração sincero, por uma pessoa que teve sua vida transformada pelo poder da Palavra e, desta forma, tem ações e comportamento dignos da atenção e do cuidado de Deus: 'Acaso não é este o jejum que escolhi: que soltes as ligaduras da impiedade, que desfaças as ataduras do jugo e que deixes ir livres os oprimidos e despedaces todo jugo? Porventura não é também que repartas o teu pão com o faminto, e recolhas em casa os pobres desamparados? Que vendo o nu, o cubras, e não te escondas da tua carne?' Isaías 58:6-7.

Não é para o ato do jejum em si que o Senhor está olhando, mas para o coração daquele que jejua. Quando uma pessoa decide obedecer a Palavra, agindo com retidão e justiça, ajudando seus semelhantes e sendo misericordioso com os desamparados, está entregando um verdadeiro jejum ao Senhor, como um perfume suave e agradável.

Que Deus os abençoe em Nome de Jesus Cristo!

Autor: Fernando Heitor de Siqueira
Por Wilmar Antunes


Estudo Bíblico O Evangelho Sem Barganhas


E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará. Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres. João 8:32 e 36.

A verdadeira graça procede de Jesus, por isso não se precisa afirmar a graça ao lado de Cristo, pois sem Cristo não há graça. E graça é favor imerecido, ou seja, “é Deus dando e fazendo tudo a quem nada merece.” É o “Cordeiro que foi imolado desde a fundação do mundo”, que é o precipitador e mantenedor de toda graça. É por isto que não podemos falar Cristo e a graça, porque sem Cristo não há graça. Também não podemos dizer só Cristo mais a fé, porque sem Cristo não há fé. Não podemos dizer só Cristo mais as Escrituras, porque as Escrituras concorrendo com Jesus esquizofreniza a mente, por isso o que nós precisamos é só de Jesus. As Escrituras Sagradas serão realmente entendidas verdadeiramente quando lida a partir do Verbo Encarnado. Porque muitos enganadores têm saído pelo mundo fora, os quais não confessam Jesus Cristo vindo em carne; assim é o enganador e o anticristo. 2 João 1:7.

Quando esta conclusão entra em nosso coração, há uma revelação que simplifica o olhar na vida e também radicaliza até mesmo as essências de nossas decisões. Quando temos esta visão, perceberemos que não há mais barganhas a fazer e não precisaremos mais de conluios com o cristianismo. Irmãos, este “cristianismo” instituído nos ofereceu praticamente mais de 1700 anos de bruxaria desde o imperador Constantino e não parou com a reforma protestante. Por isso nós não podemos nem ficar com o lado protestante do cristianismo, que nada mais é do que uma versão grega, polida, e de um catolicismo que fez literalmente dieta. Isto fez com que trouxessem para o cristianismo vários pacotes de doutrinas e preceitos de homens. Marcos 7:7 E em vão me adoram, ensinando doutrinas que são preceitos de homens.

Doutrinas e mandamentos de homens fazem com que o evangelho se torne aguado e com isto criam absolutos que relativizam a Verdade insofismável da Palavra de Deus. Por isso, o próprio protestantismo está sob juízo. E esse movimento que nós chamamos de evangélico, essa hidra, essa besta de muitas cabeças, tem tudo, menos o Evangelho. Hoje o que se anuncia é o anti-evangelho, aliás, é o outro “evangelho”. Paulo já havia nos advertido sobre este assunto. Mas, ainda que nós ou mesmo um anjo vindo do céu vos pregue evangelho que vá além do que vos temos pregado, seja anátema. Gálatas 1:8.

O que se anuncia hoje dentro das igrejas é pura macumba e o “deus” que está instaurado é Mamom. O altar é aquele no qual as pessoas se ajoelham com expectativa de receber diante de Deus alguma benção, se puser grana e se participar das campanhas. Todas elas são baseadas na obsolescência do Antigo Testamento. Muitas delas são baseadas em Gideão, Sansão, Jefté, Davi, Abraão, na pancadaria, na maldição etc. Porque eles sabem que no Espírito do Novo Testamento não dá para sobreviver com isso que eles chamam “igreja”. Irmãos amados, precisamos definitivamente estar e permanecer casados com o Evangelho da graça de Deus. Porque fora do Evangelho só há barganhas. Hoje a preocupação dos “crentes” é tão somente com as coisas terrenas e não as celestiais. Qual será o fim disto? A resposta, infelizmente é a perdição. Pois muitos andam entre nós, dos quais, repetidas vezes, eu vos dizia e, agora, vos digo, até chorando, que são inimigos da cruz de Cristo. O destino deles é a perdição, o deus deles é o ventre, e a glória deles está na sua infâmia, visto que só se preocupam com as coisas terrenas. Filipenses 3:18-19.

Hoje os crentes estão se apresentando diante de Deus e da sociedade com uma carteira de identidade de boa conduta, que significa um purismo interior hipócrita. Eles são puros sim, mas puros aos seus próprios olhos, mas não são puros diante do Senhor da glória. Eles nunca foram puros, mas se consideram puros. Que tragédia! Há daqueles que são puros aos próprios olhos e que jamais foram lavados da sua imundícia. Provérbios 30:12.

Não há barganhas a fazer com o cristianismo, com sua hiper valorização ideológica, política, com seu culto aos bens, ao poder, ao status. A grande maioria está anunciando de modo politicamente correto o evangelho, mas desses púlpitos de oráculos magificados pela superstição e pela paganidade da religião de infantes perdidos. O que tem se pregado hoje não é o evangelho, mas uma mistura de doutrinas estranhas que sufocam as pessoas. Não creio que seja evangelho o que se diz com nome de evangelho. Também não creio que se esteja pregando a Jesus, quando se fala o nome de Jesus. Irmãos não podemos nos deixar confundir por nenhuma dessas coisas, porque se o conteúdo não for exclusivamente do evangelho, podem banhar o “cristo” de purpurina, pois a esse “cristo” diremos: “Arreda em Nome de Jesus. O fundamento da igreja é Cristo Jesus o Senhor e não há outro. Porque ninguém pode lançar outro fundamento, além do que foi posto, o qual é Jesus Cristo. Edificados sobre o fundamento dos apóstolos e profetas, sendo ele mesmo, Cristo Jesus, a pedra angular; 1 Coríntios 3:11 e Efésios 2:20.

Portanto, se vier qualquer outro evangelho, vestido de qualquer coisa, mesmo que chegue até nós cheios de terminologias que já conhecemos, mas se negar o fundamento e a essência da graça de Deus de que já está tudo feito, pago, realizado, consumado por Jesus, não é o evangelho. O apóstolo Paulo reitera em Gálatas 1:9 Assim, como já dissemos, e agora repito, se alguém vos prega evangelho que vá além daquele que recebestes, seja anátema.

Sob a recomendação de Paulo eu afirmo em Nome de Jesus que, o que se instituiu a nossa volta é anátema, é abominação. E quem quiser andar em conluio com isso, saiba, está caminhando de mãos dadas com a pior feitiçaria já inventada na terra. Tudo isso está sendo praticado blasfemamente em nome de Jesus e provoca essa grande fraude em nome do evangelho. Eles tornaram o termo igreja em algo que define um agrupamento de assaltados pelos assaltantes mais sofisticados, venais e calhordas que já surgiram na história humana. O “povo de Deus” está achando que basta cultuar a Bíblia, carregar o livro, dizer que são homens da palavra, porque carregam esse livrão que nada mais é do que um “best seller” que endinheira organizações que vivem da venda do produto sem a preocupação da absorção do conteúdo. É por isso que muitos vão para o inferno com a Bíblia e sem Jesus no coração. E disse-lhes: Ide por todo o mundo e pregai o evangelho a toda criatura. Quem crer e for batizado será salvo; quem, porém, não crer será condenado. Marcos 16:15-16.

O adágio popular diz que “uma andorinha só não faz verão”, mas quando o verão chega até as andorinhas acovardadas tem que voar, porque fica quente demais. Portanto, cada um de nós tem que decidir, ou ficamos com o caminho do clube social, ou ficamos com o caminho do Caminho. Muitos efetivamente preferem lamber e beijar o engano da religião, mas graças ao Senhor, há aqueles que já cuspiram esta maldade e estão comendo Pão da vida. Eles estão seguindo o Cordeiro por onde quer que Ele vá. Estes irão aceitar se alimentar daquilo que é puro e simplesmente Jesus. Aquilo que não é Jesus provoca uma indigestão eterna no coração. Por isso digo que reforma só acontece em templo e não em igreja. Irmãos, somos do Senhor, fomos comprados por Ele. Jesus morreu, nós morremos nEle, para sermos eternamente dEle. E ele morreu por todos, para que os que vivem não vivam mais para si mesmos, mas para aquele que por eles morreu e ressuscitou. 2 Coríntios 5:15.

Amém!

Autor: Claudio Morandi
Por Wilmar Antunes

terça-feira, 26 de julho de 2016

Crescimento Sem Profundidade


O estado da igreja evangélica atualAcabo de ler o último livro de John Stott (1921-2011). Publicado em 2010, O Discípulo Radical traz o adeus singelo e carinhoso do teólogo inglês: “Ao baixar minha caneta pela última vez (literalmente, pois confesso não usar computador), aos 88 anos, aventuro-me a enviar essa mensagem de despedida aos meus leitores. Sou grato pelo encorajamento, pois muitos de vocês me escreveram”. Algumas linhas adiante, despede-se ele de seus amigos e discípulos: “Mais uma vez, adeus”. O livro não é só despedida; é um alerta grave e urgente à nossa cristandade. Ao descrever o perfil da igreja evangélica atual, o irmão Stott, já bastante apreensivo, preferiu ser econômico nas palavras: “Crescimento sem profundidade”.

Constranjo-me a concordar com a análise de Stott. Sei que não devo generalizar, pois ainda há rebanhos sadios e bem nutridos. Mas a verdade é que nunca as igrejas estiveram tão cheias de crentes tão vazios. O que está acontecendo conosco? De imediato, seja-me permitido apontar dois fatores que vêm orfanando os filhos de Deus: a substituição do Cristo eterno pelo Jesus secular e a retirada da cruz da mensagem evangélica.

Ao invés do Cristo eterno, o Jesus secularO maior inimigo de Cristo na presente década é o Jesus que nós, evangélicos, criamos no século passado. Parece que, no armário de nossa teologia, há sempre um “Jesus” pronto a justificar-nos todos os disparates e ambições. Tal Jesus, porém, está longe do Cristo morto e ressurreto do Evangelho. O interessante é que, há bem pouco tempo, não poupávamos ataques ao Jesus comunista da Teologia da Libertação. Mas acabamos por inventar um bem pior. Capitalista e terreno, nosso Jesus desenvolveu uma ação preferencial pelos ricos, e já não se acanha em especular na bolsa dos valores invertidos e efêmeros. Ele induz o povo de Deus a transformar pedras em pães, a saltar do pináculo do templo e a curvar-se ante o príncipe desta geração – o maldito e perverso Mamom.

Na promoção do Jesus capitalista, alguns mestres e doutores estão tornando o rebanho de Deus dependente de um cristianismo sem Cristo: é o ópio do atual evangelicalismo. Não foi essa, porém, a mensagem que Paulo expôs aos coríntios. Professando estar comprometido com o evangelho genuíno e radical, escreve o apóstolo: “Porque decidi nada saber entre vós, senão a Jesus Cristo e este crucificado” (1Co 2.2).

Se quisermos um crescimento com profundidade, temos de nos voltar, com urgência, ao Cristo anunciado pelos santos apóstolos: morto, crucificado e ressurreto. O Jesus do Calvário é insubstituível e inimitável.

Ao invés da Palavra de Deus, a palavra do homemQuem prega um Jesus diferente do Cristo apostólico acabará por expor um evangelho estranho à mensagem da cruz. Assim como a Lei de Moisés nada era sem os Dez Mandamentos, de igual modo o Sermão do Monte: de nada nos valerão suas bem-aventuranças sem as reivindicações éticas do Mestre. Logo, não posso aceitar uma mensagem politicamente correta se, profeticamente, for inconsistente e permissiva. Afinal, fomos chamados a atuar como homens de Deus e não a representar como homens do povo. Nosso compromisso é com a Palavra de Deus.

Na ânsia por aumentar seus rebanhos, há pastores que retiram a cruz de suas mensagens, tornando-as mais palatáveis. Já descompromissados com o Sumo Pastor, não mais falam o que os crentes necessitam ouvir, mas o que os seus clientes querem escutar. Se estes não mais suportam a sã doutrina e, acriticamente, consomem o que lhes chega ao aprisco, por que se afadigar em servir-lhes o genuíno alimento espiritual? Ao invés do texto bíblico, um pretexto casuístico e oportunista. Não sei que nome dar a esse tipo de sermão. De uma coisa, porém, não tenho dúvidas: deve ser muito eficiente, porque infla as igrejas e engorda os rebanhos. Nesses currais, porém, as ovelhas não são fortes: são obesas de si mesmas. Embora comam muito, alimentam-se mal. Acham-se à beira da inanição. A mensagem pode ser eficiente, mas é ineficaz para nutrir as almas que anseiam por Deus.

Em toda a história da Igreja Cristã, nunca se consumiu tantos livros e sermões. E, apesar disso, nunca se viu tantos crentes gordos de si e magros de Deus. Essa gente enche os templos e inflaciona as estatísticas, gerando um crescimento raso.

Não sou contra o aumento do rebanho de Cristo. Se o Evangelho é pregado é natural que se distendam os redis. Haja vista a Igreja Primitiva. Passados trinta anos, desde o Pentecostes, as conversões multiplicaram-se em Jerusalém, tomaram toda a Judeia e Samaria, alcançando os confins da terra. Aliás, havia convertidos até mesmo na casa de César. Mas era crescimento profundo e radical – enraizado na doutrina dos santos apóstolos.

Só pode haver crescimento genuíno com maturidade espiritual. Há uma grande diferença entre o fruto que por si mesmo amadurece e o que é posto na estufa. Este pode ser até maior, mas jamais terá a doçura daquele. Infelizmente, muitas igrejas tornaram-se estufas de crentes. Suas mensagens, geradas em eficientes departamentos de marketing, engrandecem o homem e diminuem Deus, exaltam a bênção e humilham o Abençoador, menosprezam a doutrina da santificação por já não prezarem o santíssimo Deus.

Aferindo a qualidade do rebanho de CristoTemos de aferir nossa qualidade não pelas estatísticas, e, sim, pela doutrina dos apóstolos. Antes recorríamos à Bíblia e, humildemente, cotejávamos a nossa vida de acordo com a Palavra de Deus. Hoje, buscamos os gráficos do IBGE e nos aborrecemos quando nossas expectativas não são cumpridas. Dessa forma, viemos a substituir o imperioso “ide” do Mestre por metas empresariais. E, sempre que estas são batidas, distribuímos galardões: reajustes salariais, viagens e presentes. Se continuarmos assim, não estou certo se haverá alguma coisa a recebermos no Tribunal de Cristo, pois a nossa premiação eterna já está sendo usufruída no tempo.

John Stott não estava errado. A igreja evangélica cresceu e já é contada aos milhões. Somos, de fato, um oceano vasto, azul e belo. Infelizmente, tal oceano pode ser atravessado com as águas pelos artelhos. Quem dera fôssemos como o poço de Jacó! Não tinha a boca grande nem arrogante. Sua profundidade, contudo, era insondável. Para que isso venha a acontecer, faz-se urgente que voltemos ao Cristo de Deus, e deixemos de lado os “jesuses” que, todos os dias, tiramos de nossa prateleira teológica. Além disso, faz-se urgente recolocarmos a cruz em nossas mensagens.

Se agirmos assim, nosso crescimento terá a profundidade do rio de Ezequiel. De caudaloso e insondável, terá de ser transposto a nado. Basta de pregarmos o que o povo quer ouvir. Falemos o que as pessoas precisam escutar. Além do mais, na Igreja não temos clientes, mas ovelhas ansiosas por ouvir o Bom Pastor.


Autor: Pr Claudionor de Andrade
Por: Wilmar Antunes

quinta-feira, 14 de julho de 2016

Estudo Bíblico A Bíblia e a Trindade


Ensina a Bíblia realmente que Deus é uma Trindade?
O batismo cristão ordenado por Cristo na Grande Comissão (Mt 28.19) deve ser efetuado “em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo”. Observe que o texto diz “nome” e não “nomes”. A idéia é que o nome de Deus é Pai-Filho-Espírito Santo. E verdade que o termo Trindade não se encontra no texto hebraico nem no grego, na Bíblia; e tampouco aparecem termos como “soteríologia” — no entanto, existe na teologia sistemática a doutrina da salvação, também se encontra a da “hamartologia”, a da “transcendência” e “imanência”, ou a da “preexistência” de Cristo, ou a “cristologia”. Poucas pessoas que discutem os ensinos bíblicos levantam uma bandeira vermelha e objetam contra o uso de tais termos, quando estudam a natureza das graciosas obras de Deus. Tais designações servem como rótulos convenientes, didáticos, para conceitos ou ensinos complexos a respeito de assuntos intimamente relacionados. E impossível discutir teologia como disciplina sistemática, filosófica, sem se usar esses termos técnicos. Nenhum deles se encontra na Bíblia, disso temos certeza. No entanto, todos eles formam um complexo grandioso de conceitos coerentes, organizados, que são ensinados nas Escrituras. Portanto, devemos rejeitar como irrelevante a objeção de que a palavra precisa, “Trindade”, não se encontra na Bíblia.

No entanto, aventuramo-nos a insistir em que alguns dos ensinos básicos e fundamentais a respeito de Deus tornam-se praticamente incompreensíveis, sem que tenhamos uma boa compreensão da doutrina da Trindade.

Em primeiro lugar, vamos definir com clareza o que significa “Trindade”. Esse termo implica que o Senhor é uma unidade que subsiste em três pessoas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo — sendo os três um só Deus. Que Deus é uno tanto o Antigo como o Novo Testamento o asseveram: Deuteronômio 6.4: “Ouve, Israel, o Senhor, nosso Deus, é o único Senhor”; Marcos 12.29: “Respondeu Jesus: o principal é: Ouve, ó Israel, o Senhor nosso Deus é o único Senhor!”; Efésios 4:6: “[Há] um só Deus e Pai de todos, o qual é sobre todos, age por meio de todos e está em todos”. Vemos aqui afirmações claras, inequívocas de monoteísmo:

Deus é um só
Não há outros deuses além dele. Isaías 45.22 menciona Deus dizendo: “Olhai para mim e sede salvos, vós, todos os termos da terra; porque eu sou Deus, e não há outro”. Ou ainda Salmos 96.4,5: “Porque grande é o Senhor e mui digno de ser louvado, temível mais que todos os deuses. Porque todos os deuses dos povos não passam de ídolos [hebr. ‘elilim tem conotação de ‘fraco, sem valor’]; o Senhor, porém, fez os céus”. Isso se torna muito explícito em l Coríntios 8.5,6: “Porque, ainda que há também alguns que se chamem deuses, quer no céu ou sobre a terra, como há muitos deuses e muitos senhores, todavia, para nós há um só Deus, o Pai, de quem são todas as cousas e para quem existimos; e um só Senhor, Jesus Cristo, pelo qual são todas as cousas, e nós também, por ele”.

Mas, a Bíblia também ensina que Deus não é uma mônada estéril, mas existe eternamente em três pessoas.

Isso fica implícito no registro da criação, em Gênesis 1.1-3: “No princípio, criou [bãrã; verbo no singular, não no plural bãre’û] Deus [’elohim, plural na forma, tendo o final im; esse plural para ‘Deus’ provavelmente é um ‘plural majestático’; entretanto, compare-se Gênesis 1.26,27, que discutimos abaixo] os céus e a terra. A terra, porém, estava sem forma e vazia... e o Espírito de Deus pairava por sobre as águas [mostrando o envolvimento da terceira Pessoa na obra da criação]. Disse Deus [’elóhîm]: Haja luz; e houve luz”. Temos aqui Deus falando como a Palavra Criativa, o Verbo (Jo 1.3), que é a segunda Pessoa da Trindade.

Diz a Bíblia que cada pessoa da Trindade tem uma função especial, tanto na obra da criação como na da redenção.

O Pai é a Fonte de todas as coisas (1 Coríntios 8.6) “... pelo qual são todas as coisas”). Ele é aquele que planejou e ordenou a redenção. “Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (João 3.16). A encarnação foi o cumprimento de seu decreto previamente anunciado em Salmos 2.7: “Proclamarei o decreto do Senhor: Ele me disse: Tu és meu Filho, eu, hoje, te gerei”. Ele também deu-nos o Messias como expiação pelos nossos pecados (Is 53.6, 10). De maneira semelhante, ele concedeu o Espírito Santo a seu povo (At 2.18; Ef 1.17). Ele derramou a salvação sobre os redimidos (Ef 2.8,9), pela fé, que também é dom de Deus. E a seu Filho entregou a Igreja (Jo 6.37).

Quanto a Deus, o Filho, foi por meio dele que toda a obra da criação se realizou (Jo 1.3; lCo 8.6); significa que ele era também o Senhor Deus, ao qual se refere o salmo 90, o Criador que fez as montanhas, as colinas e toda a Terra. Ele é também o Sustentador e Preservador do universo material que ele criou (Hb 1.2,3). No entanto, ele também é o Deus que se tornou “carne” (Jo 1.18), isto é, um verdadeiro ser humano —sem deixar de ser divino, a fim de explicar (“exegete”) Deus à humanidade. Ele era a Luz que veio ao mundo para salvar os homens do poder das trevas (Jo 1.9; 8.12) por meio de sua perfeita obediência à lei e sua morte expiatória na cruz (Hb 1.3). Ele é também aquele que venceu o poder da morte, e, como o Salvador ressurreto, estabeleceu sua Igreja e comissionoua como seu templo vivo, seu corpo e sua noiva.

O Espírito Santo é aquela pessoa da Trindade que inspirou a redação das Escrituras (lCo 2.13; 2Pe 1.21), e manifesta o Evangelho aos redimidos de Deus (Jo 16.14). Ele comunica os benefícios do Calvário a todos quantos verdadeiramente crêem e receberam Cristo como Senhor e Salvador (Jo 1. 12,13); e Ele penetra em suas almas a fim de santificar seus corpos como templos vivos de Deus (lCo 3.16; 6.19), depois de terem nascido de novo pela sua graça transformadora (Jo 3.5,6). A seguir, ele ensina aos crentes as palavras de Cristo, de modo que possam entendê-las e crer nelas (Jo 14.26; lCo 2.10), e dá testemunho de Jesus tanto por sinais externos como por convicção interna (Jo 15.26; At 2.33,38,43). Ele santifica e congrega os membros de Cristo num organismo vivo, que é o verdadeiro templo do Espírito Santo (Ef 2.18-22) e concede a cada membro dons especiais da graça e do poder (charismata) mediante os quais possam enriquecer e for talecer a Igreja como um todo (lCo 12.7-11).

O NT afirma reiterada e claramente que Jesus Cristo é Deus encarnado. Ele veio como o Verbo criador, que também é Deus (Jo 1.1-3). De fato Ele é “o Deus unigênito” (Jo 1.18; segundo os manuscritos mais antigos, os melhores, essa era a redação original) em vez de “único Filho gerado”. Em João 20.28, a afirmação de Tomé, que deixara de ser incrédulo, “Senhor meu e Deus meu foi aceita por Cristo como sua verdadeira identidade; assim comentou o Senhor: “Porque me viste, creste? Bem-aventurados os que não viram e creram”. Creram em quê? Acreditaram naquilo que Tomé acabara de reconhecer, que Cristo é Senhor e Deus!

Nas cartas de Paulo e nas epístolas gerais, encontramos outras afirmações claras sobre a deidade de Cristo:
1. Falando dos israelitas, assim diz Paulo: “... deles são os patriarcas, e também deles [ón, o particípio realmente exige essa tradução; ho ón (‘ele é’) tem de ser uma construção modificadora de ho Christos, como seu antecedente] descende o Cristo, segundo a carne [i.e., do ponto de vista físico], o qual é sobre todos, Deus bendito para todo o sempre. Amém” (Rm 9.5).

2. Em Tito 2.13, Paulo diz: “aguardando a bendita esperança e a manifestação [epiphaneia noutras passagens só se refere ao surgimento de Cristo, nunca de Deus Pai] da glória do nosso grande Deus e Salvador Cristo Jesus

3. Hebreus 1.8 cita Salmos 45.6,7 como prova da divindade de Cristo, ensinada no AT: “mas acerca do Filho: O teu trono, ó Deus, é para todo o sempre” [o hebraico usa ‘elóhim aqui].

4. Hebreus 1.10,11 cita Salmos 102.25,26, declarando: “Em tempos remotos, Senhor [o salmo todo dirige-se a Iavé, pelo que o autor insere o vocativo Senhor aqui, partindo de um contexto anterior], lançaste os fundamentos da terra; e os céus são obras das tuas mãos. Eles perecerão, mas tu permaneces”. Aqui Cristo é mencionado como o Deus que sempre existiu, até mesmo antes da criação, que viverá para sempre, até mesmo depois de os céus terem cessado de existir.

5. Em l João 5.20, esse apóstolo diz: “... estamos no verdadeiro, em seu Filho, Jesus Cristo. Este [lit., esta pessoa] é o verdadeiro Deus e a vida eterna”.

No que concerne às passagens do AT, os seguintes fatos relacionam-se à Trindade:
1. Gênesis 1.26 cita Deus (‘elóhim) que diz: “Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança...”. Essa primeira pessoa dificilmente pode ser um plural editorial ou real, referente a uma única pessoa, a que fala, visto que tal uso não se verifica em parte alguma do hebraico bíblico. Portanto, precisamos enfrentar a pergunta:

Quem são as pessoas incluídas em “façamos nos” e em “nossa”. Dificilmente incluiríamos os anjos, que estariam sendo consultados, pois em parte alguma se diz que o homem foi criado à imagem deles; só de Deus. O v. 27 afirma: “Criou Deus [’elóhim], pois, o homem à sua imagem, à imagem de Deus o criou; o homem e a mulher os criou”, O Senhor — o mesmo Deus que falou de si mesmo no plural— declara agora que criou o homem à sua imagem. Em outras palavras, o plural equivale ao singular. Só podemos entender isto em termos da natureza trinitária de Deus. O verdadeiro Deus subsiste em três pessoas, as quais são capazes de discutir entre si e executar seus planos, pondo-os em ação, juntos — sem deixarem de ser um único Deus.

Para nós, que fomos criados à imagem de Deus, essa doutrina não deveria ser difícil de entender. Existe um sentido muito bem definido em que temos uma natureza tríplice, ou trinitária. I Tessalonicenses 5.23 indica-o com clareza: “O mesmo Deus de paz vos santifique em tudo; e o vosso espírito, alma e corpo sejam conservados íntegros e irrepreensíveis na vinda de nosso Senhor Jesus Cristo” (grifo do autor). Com freqüência, encontramo-nos engajados em debate entre nosso espírito, alma e corpo, quando enfrentamos uma decisão moral, uma escolha entre a vontade de Deus e o desejo de nossa natureza carnal, que busca o prazer egoísta.

2. Salmos 33.6 diz: “Os céus por sua palavra se fizeram, e, pelo sopro [rûah, Espírito] de sua boca, o exército deles”. Aqui de novo temos o mesmo envolvimento das três pessoas da Trindade na obra da criação: o Pai decreta, o Filho, sendo o Verbo, executa o decreto do Pai, e o Espírito concede a dinâmica vital ao processo.

3. Salmos 45.6 já foi citado em conexão com Hebreus 1.8: “O teu trono, ó Deus, é para todo o sempre; cetro de eqüidade é o cetro do teu reino”. Mas 45.7 traz uma referência a um Deus que abençoara ao Verbo que é o perfeito Rei: “Amas a justiça e odeias a iniqüidade; por isso Deus, o teu Deus, te ungiu com o óleo de alegria, como a nenhum dos teus companheiros”. O conceito de Deus abençoando Deus só pode ser entendido em um sentido trinitário. Um conceito de Deus unitário torna essa passagem ininteligível.

4. Isaías 48.16 mostra as três pessoas em ação, na obra da revelação redentora: “Chegai-vos a mim e ouvi isto: não falei em segredo desde o princípio; desde o tempo em que isso vem acontecendo [i.e., o livramento do povo de Deus dos grilhões e da escravidão], tenho estado lá. Agora, o Senhor Deus me enviou a mim e o seu Espírito”. Temos aqui o Deus-homem Redentor falando (o que se descreveu a si mesmo no v. 12 dizendo: “sou o primeiro e também o último”, e no v. 13, assim: “... a minha mão fundou a terra, e a minha destra estendeu os céus...” Agora ele diz, no v. 16: “... o Senhor Deus me enviou a mim e o seu Espírito (que nesse caso se refere a Deus, o Filho, e a Deus, o Espírito, a terceira Pessoa da Trindade). E possível que “e o seu Espírito” possa ligar-se a “me”, como objeto direto de “enviou”, mas no contexto do original hebraico, a impressão é que “seu Espírito” (rüah, Espírito) está ligado a ‘adonay YHWH (“Senhor Iavé), como mais um sujeito, em vez de um objeto. Seja como for, a terceira Pessoa torna-se distinta da primeira e da segunda, nesses versículos. Além dos exemplos mencionados acima, de versículos do AT que não fazem sentido a não ser que se admita a natureza trinitária de Deus, do Senhor triúno, existem múltiplos exemplos da atividade do “Anjo de Iavé” que se iguala ao próprio Deus. Consideremos as seguintes passagens:

1. Gênesis 22.11 descreve o momento dramático da experiência de Abraão no monte Moriá, quando estava prestes a sacrificar seu filho Isaque: “Mas do céu lhe bradou o Anjo do Senhor:Abraão! Abraão! Ele respondeu: Eis-me aqui”. O versículo seguinte prossegue, igualando esse ser celestial ao próprio Deus: “...agora sei que temes a Deus, porquanto não me negaste o filho, o teu único filho”. Depois, nos v. 16 e 17,0 anjo declara: “Jurei, por mim mesmo, diz o Senhor, porquanto fizeste isso e não me negaste o teu único filho, que deveras te abençoarei e certamente multiplicarei a tua descendência...”. Fica bem claro que o anjo de Iavé aqui é o próprio Deus. “Iavé” é o nome de aliança do Deus Triuno, e o seu anjo também é o próprio Deus. Em outras palavras, podemos identificar o anjo de Iavé em passagens como essa, como sendo a pré-encarnação do Redentor, Deus o Filho, já engajado na obra redentora e mediadora, antes ainda de tornar-se um homem, filho da virgem Maria.

2. Em Gênesis 31.11,13 observamos o mesmo fenômeno; o anjo de Deus na verdade é o próprio Deus: “E o Anjo de Deus me disse em sonho: Jacó! Eu respondi: Eis-me aqui [...] Eu sou o Deus de Betel, onde ungiste uma coluna...”.

3. Êxodo 3:2 declara: “Apareceulhe o Anjo do Senhor numa chama de fogo, no meio duma sarça...”. Depois, no v. 4, lemos: “Vendo o Senhor que ele se voltava para ver, Deus, do meio da sarça...”. A identificação completa nós a temos no v. 6: “Eu sou o Deus de teu pai, o Deus de Abraão, o Deus de Isaque e o Deus de Jacó. Moisés escondeu o rosto, porque temeu olhar para Deus”. Outra vez verificamos que o Anjo do Senhor não é outro senão Iavé em pessoa.

4. Juízes 13.20 declara: “Sucedeu, que, subindo para o céu a chama que saiu do altar, o Anjo do Senhor subiu nela; o que vendo Manoá e sua mulher, caíram com o rosto em terra”. Os v. 22 e 23 completam a identificação do anjo como sendo o próprio Senhor: “Disse Manoá a sua mulher: Certamente, morreremos, porque vimos a Deus”. Mas sua esposa lhe disse: “Se o Senhor nos quisera matar, não aceitaria de nossas mãos o holocausto e a oferta de manjares, nem nos teria mostrado tudo isto”.

À face dessa pesquisa das evidências bíblicas, concluímos que as Escrituras verdadeiramente ensinam a doutrina da Trindade, ainda que não empregue esse termo. Além disso, devemos observar que o conceito de Deus como sendo um, em essência, mas três nos centros de consciência —a que a Igreja grega se referia como três hypostases e a latina como três personae — e concepção singular, exclusiva, na história do pensamento humano. Nenhuma outra cultura ou movimento filosófico jamais apareceu com uma idéia semelhante a essa a respeito de Deus —pensamento que continua difícil à nossa mente finita, para que o entendamos. No entanto, a inabilidade nossa para compreender completamente a riqueza e a plenitude da natureza de Deus, como Trindade Santa, não deve constituir motivo para o ceticismo. Se só tivermos de aceitar aquilo que podemos entender totalmente, e nisso acreditar, estaremos, nesse caso, desesperançosamente além da redenção. Por quê? Pois jamais entenderemos plenamente como poderia Deus amar-nos de tal maneira que enviasse seu Filho Unigênito à terra para morrer por nós, pelos nossos pecados, e tornar-se nosso Salvador. Se não aceitarmos uma idéia que não podemos entender, como creríamos em João 3:16? Como receberíamos a certeza do evangelho e salvar-nos?

Artigo recebido por email

Via: www.estudosgospel.com.br
Por Wilmar Antunes


domingo, 26 de junho de 2016

A Importância do Estudo Bíblico


Muitas vezes nos perguntamos o porquê do estudo bíblico, não seria o suficiente para nossas vidas as pregações e palavras ditas nos cultos?

Obviamente que não e abaixo tento explicar o por que:Os ensinos bíblicos são imprescindíveis para o homem e de valor inestimável. São livros escritos segundo a própria sabedoria divina, inspirados pelo Espírito Santo de Deus, como nos relata a Bíblia em 2 Pedro 1.21. Desprezar estes livros é o mesmo que desprezar uma lanterna em um túnel totalmente escuro, cujo qual você precisa atravessar, em outras palavras é o mesmo que desprezar o caminho para a salvação.

O propósito de estudar a Bíblia, de forma ordenada e contínua, é que as Sagradas Escrituras podem:

1) Levar-nos á Fé salvadora em Cristo Jesus (2 Timóteo 3.15).Significado de Fé é: Crer no SENHOR Jesus Cristo como único salvador de nossas vidas, crer nos seus ensinamentos e na vida eterna alcançada devido a obediência dos mesmos.

O homem em si é limitados, ou seja, somos que nem Tomé, as vezes necessitamos ver para crer. Com isso quando lemos na bíblia sobre cura de enfermos, demônios sendo expulsos, pessoas sendo ressuscitadas e até mesmo as profecias ditas, a principio, no inicio da nossa caminhada cristã, por mais que acreditamos no que está escrito, quando vemos estas situações dentro da igreja, perante nossa face, nós mesmos vamos dando mais credito a palavra, é onde com a leitura constante, nossa Fé vai cada vez mais se edificando até chegar ao ponto onde nada poder nos abalar, como foi a Pedro, Tiago, João, Paulo e outros discípulos e apóstolos de Jesus Cristo.

2) Orientar-nos sobre decisões do dia-a-dia (2 Timóteo 3.16).Na Bíblia temos dezenas de exemplos de vida, onde podemos aprender com os erros como também com os acertos. Através das histórias, podemos nos deparar com situações do nosso dia-a-dia e tirar nossas dúvidas sobre determinados assuntos.

Temos o caso de Jô, vaso único, inigualável na terra segundo Deus relata a satanás (JÓ 1.8), mesmo assim padeceu enfermidades, perdeu sua família e dinheiro por provação de Deus, durante dois anos. Ainda assim permaneceu fiel a Deus e o SENHOR o restituiu tudo em dobro.

Vemos também o exemplo de Davi, homem segundo o coração de Deus. Exemplo de humildade (1 Samuel 16.14-23), onde mesmo já ungido (separado) para rei de Israel, foi e serviu a Saul, tocando sua harpa para espantar o espírito mau que o atormentava.

Exemplo de coragem (1 Samuel 17.32), onde ali na peleja contra os filisteus, Davi não olhou para o tamanho de Golias e sim olhou para o seu SENHOR e desceu ao vale e venceu o gigante.

E o maior de todos os exemplos, que foi o nosso SENHOR Jesus Cristo, onde nos ensinou o amor ao próximo, a humildade, obediência aos propósitos de Deus e mostrando que somos capazes de vencer as lutas, calúnias, humilhações e afrontes deste mundo.

3) Guardar-nos contra superstições, mentiras e enganos (Salmo 119.105).Lembramos que o SENHOR Jesus, ao ser levado ao deserto e sendo tentado por satanás, ele obteve suas respostas nas Sagradas Escrituras. Quando temos a palavra conosco, mesmo quando nos atacam através de versículos bíblicos distorcidos, tentando nos enganarem, nós saberemos contra-atacar através da Bíblia, só que com a autoridade do Espírito Santo, pois temos certeza do que estamos falando e fazendo. Não seremos de forma alguma enganados (Colossenses 2.4-7).

4) Livrar-nos de cairmos em pecados e cegueira espiritual (Salmo 119.11, Apocalipse 1.3).Aquele que lê e guarda as escrituras, sabe o que agrada ou não o nosso SENHOR, as escrituras nos ensina a viver em cada área de nossas vidas, sem cometer pecados, tendo paciência e bom animo.

Vida Social – Provérbios 17.17, Lucas 10.25-37, João 15.13-17, Romanos 16.1-2.
Vida Conjugal – 1 Corintios 7.3-5, Hebreus 13.4.
Vida Profissional – Lucas 16.1-13, Filipenses 4.10-13, 1 Timóteo 6.1-2, 1 Pedro 2.18.

5) Dar-nos sabedoria e compreensão sobre fatos do passado, do presente e do futuro (Salmo 19.8, 2 Pedro 1.19, Apocalipse 1.1).Qual dentre nós não nos questionamos do “por que” de tudo que está acontecendo. Milhares de pessoas passando fome, milhares de pessoas morrendo por ações da natureza, por que tantas doenças, por que demoramos tanto para vir conhecer o verdadeiro evangelho?

Dentro da Bíblia podemos encontra as respostas para todas essas perguntas e inclusive podemos aprender sobre os porquês de tudo que ainda está para acontecer.


6) Nos capacitar para fazer a obra do senhor (2 Timóteo 3.17).A Palavra de Deus serve como bússola para nos guiar e também para capacitar. Cada um dentro do seu chamado ministerial. Sabemos nós, que Deus ele escolhe os incapazes e os capacita, para que através daquela vida o seu nome venha ser exaltado na terra.

- Foi assim com Noé, quando teve que construir a arca (Gênesis 6.13-22);
- Foi assim com José, onde de escravo passou a governador do Egito (Gênesis 41.38-41);
- Foi assim com Gideão, onde de fazendeiro tornou-se general de guerra (Juizes 6:14);
- Foi assim com Davi, onde de pastor de ovelha e filho rejeitado passou a Rei (1 Samuel 16.12);

E assim foi com vários outros personagens, do antigo ao novo testamento (Discípulos - Mateus 4.18-22, João Batista - Lucas 1.76-80, Saulo – Atos 9.1-31).

7) Conhecer as promessas de Deus para o seu povo (Deuteronômio 7.19).É de suma importância que o crente conheça as promessas de Deus para a vida dele. Conhecendo-as, poderemos saber realmente se estamos no centro da vontade de Deus. Como? Veja abaixo algumas promessas:

Gênesis 22.16-18 - Promessa que Deus fez a Abraão de ser misericordioso para com o seu povo para sempre.

Isaias 1.19 - Promessa de comermos o melhor desta terra, mas parar isso é necessário querer-mos e ouvir-mos, o que? A voz de Deus e seus ensinamentos

Jeremias 29.12-13 - Promessa que Deus sempre escutará nossas orações e nossos clamores e que sempre o acharemos, ou seja, ele sempre estará conosco. Mas para isso é necessário o buscar de todo o coração.

Marcos 16.16 - Promessa de salvação. Quem crer no SENHOR e for batizado, não será condenado (Quem são os que crêem? Marcos 16.17-18).

Atos 16-31 - Promessa de salvação não só para nós, mas também para nossa casa.

O segredo para usufruir todas as promessas de Deus, se resumem em duas palavras: Fé e Obediência.

Autor: Diac. Thiago Alberto Benko
Por Wilmar Antunes

sábado, 25 de junho de 2016

O Verdadeiro Perdão Nos Restaura


Suportai-vos uns aos outros, perdoai-vos mutuamente, caso alguém tenha motivo de queixa contra outrem. Assim como o Senhor vos perdoou, assim também perdoai vós. Colossenses 3:13.

O perdão é o caminho da restauração de Deus em nossa vida. E para todos aqueles que nasceram de novo a Bíblia diz que temos de perdoar como Deus em Cristo nos perdoou. O perdão de Deus para nós é um perdão ilimitado. Deus nos perdoa e nos perdoa completamente. As Escrituras relatam que Deus perdoa totalmente, e Ele não se lembra mais das nossas faltas e das nossas transgressões. Ele desfaz o nosso pecado como a névoa. Ele afasta nosso pecado como o Oriente se afasta do Ocidente. Deus lança os nossos pecados nas profundezas do mar e deles nunca mais se lembra. Alguém disse que Deus joga nossos pecados nas profundezas do mar e coloca uma placa com os seguintes dizeres: “É proibido pescar aqui!” Vamos ler Miquéias 7:18-19. Quem, ó Deus, é semelhante a ti, que perdoas a iniqüidade e te esqueces da transgressão do restante da tua herança? O SENHOR não retém a sua ira para sempre, porque tem prazer na misericórdia. Tornará a ter compaixão de nós; pisará aos pés as nossas iniqüidades e lançará todos os nossos pecados nas profundezas do mar.

Uma coisa é falar sobre perdão e outra coisa é praticar o perdão. Perdoar não é uma coisa simples, nem fácil, mas é necessária. Sabe por quê? Porque nós temos a capacidade de decepcionar as pessoas e as pessoas têm a capacidade de decepcionar-nos. Nós ferimos as pessoas, e as pessoas nos ferem. As pessoas têm a capacidade de roubar a nossa alegria, machucar-nos e ferir-nos. E isso transtorna muitas vezes a nossa vida. Não há vida saudável sem o exercício do perdão. Não há vida alegre, plena, abundante, sem o exercício do perdão. Você já perdoou aqueles que lhe ofenderam? Que te feriram? Que te magoou? Que te fizeram sofrer? Que disse todo mal contra você? Precisamos entender que o perdão não se encontra na pessoa perdoada, mas na que perdoa. É um ato da graça. Se fomos perdoados e salvos, foi totalmente pela graça de Deus. Imagina se Deus nos tratasse segundo nós merecíamos. Mas Ele nos trata baseado em sua misericórdia e graça. Não nos trata segundo os nossos pecados, nem nos retribui consoante as nossas iniqüidades. Salmos 103:10.

Cristo nos ensinou a perdoar, perdoando os seus malfeitores. O caminho que Jesus nos mostrou para seguirmos é quando formos injuriados, não injuriar e, quando alguém nos ferir, não ameacemos, mas devemos entregar àquele que julga corretamente. Cristo estava disposto a ser injuriado sem dar o troco. Os anjos no céu estavam a postos, esperando uma palavra de seus lábios, para punirem seus atormentadores e livrá-lo de suas artimanhas. Mas Cristo estava disposto deixar que o Pai cuidasse daquilo. Jesus optou por confiar seu caso à Suprema Corte, crendo que a justiça seria distribuída com precisão. Portanto a nossa capacidade de perdoar baseia-se no perdão divino. O motivo pelo qual podemos perdoar muito é porque Deus nos perdoou muito. Ele é quem perdoa todas as tuas iniqüidades; quem sara todas as tuas enfermidades. Salmos 103:3.

Muitas pessoas denominadas “evangélicas” estão paralíticas em suas emoções por causa da falta de perdão. Por terem sido duramente desapontadas ou injustiçadas, principalmente no relacionamento com as demais pessoas, mergulharam num lodaçal de mágoa, amargura e ressentimento. Em conseqüência disto, se tornaram pessoas críticas e murmurantes. Não é preciso que os nossos pés estejam presos em correntes para sermos escravos, a falta de perdão é uma terrível forma de aprisionamento. Que qualidade de vida pode ter uma pessoa que mantém prisioneira em seu coração alguém que lhe traiu? Odiar, desejar o mal, a morte e toda a desgraça possível contra alguém que nos decepcionou profundamente, ajudará em alguma coisa? Será que a vingança tem poder de trazer alívio para uma alma tomada pelo câncer da falta de perdão? Ao contrário de trazer qualquer espécie de melhora, estes sentimentos baixos, colocam a pessoa que não perdoa debaixo de tortura angustiante. A falta de perdão esmaga a sua própria vítima roubando-lhe toda a motivação do seu viver. É digna de dó aquela pessoa que está algemada por este sentimento caído. Mas se somos regenerados, o que nos impede de perdoar? Porque, se perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai celeste vos perdoará; se, porém, não perdoardes aos homens as suas ofensas, tampouco vosso Pai vos perdoará as vossas ofensas. Mateus 6:14.

O crime mais bárbaro, injusto e hediondo já registrado na humanidade aconteceu no ano 33 desta era. Crucificaram, sem piedade alguma, o Justo de Deus. Aquele que nunca pecou foi humilhado, espancado, ultrajado e, por fim, levado para morrer de um modo horrendo. Pendurado numa cruz, ferido e abandonado por todos, agonizava em dores atrozes. Todo requinte de maldade, perversidade e malignidade humanas foram usadas contra o Santo. Diante deste cenário, precisamos lembrar quais foram às últimas palavras do Senhor Jesus, antes de render o Seu Espírito: Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem. Então, repartindo as vestes dele, lançaram sortes. Lucas 23:34a. Enquanto que os carrascos, autoridades religiosas e o povo escarneciam do Mestre, a doce súplica por perdão chegava ao coração do Pai celestial. Que contraste incrível encontramos nesta cena. Os homens derramavam todo o seu ódio contra o Senhor, contudo, o Filho de Deus manifestava toda a plenitude de Seu amor. E da parte de Jesus Cristo, a Fiel Testemunha, o Primogênito dos mortos e o Soberano dos reis da terra. Àquele que nos ama, e, pelo seu sangue, nos libertou dos nossos pecados. Apocalipse 1:5.

Alguém certa vez disse com muita sabedoria: “Perdão é o perfume da violeta no calcanhar que a esmaga”. O sândalo (árvore da Índia) nos ensina a viver. “Perfuma a quem o fere”. Por causa do meu pecado, toda ira de Deus foi derramada sobre Jesus. Este amoroso Senhor entregou-se voluntariamente para ser esmagado por causa da malignidade de meu pecado. Cristo carregou sobre Si toda a culpa da minha iniqüidade. Nesta Pessoa gloriosa, sou plenamente perdoado. A base eterna do perdão oferecido pelo Senhor, encontra-se, em Jeremias 31:34b. Pois perdoarei as suas iniqüidades e dos seus pecados jamais me lembrarei.

A causa de muitas doenças psicossomáticas tem a sua origem na falta de perdão. São pessoas que tem o conhecimento de que foram perdoadas em Cristo, contudo, não perdoam. Muitos alegam que não podem perdoar porque foram agredidas, humilhadas e ultrajadas. Elas não podem perdoar porque a dívida é muito grande. A conversa sempre é assim: “Como eu sofri, como eu fui humilhado, como pisaram em mim, como me injustiçaram, e vocês tem que me dar razão”. Irmãos, Cristo morreu na cruz para nos perdoar totalmente e plenamente. Porque quando Jesus morreu na cruz, Ele nos incluiu na Sua morte, por isso, morremos junto com Ele, para vivermos uma vida de celebração e de alegria diante do Senhor e dos homens. Por essa razão o apóstolo Pedro mostra que os filhos de Deus devem seguir as pisadas de seu Mestre. Está escrito, em 1 Pedro 2:21-23 Porquanto para isto mesmo fostes chamados, pois que também Cristo sofreu em vosso lugar, deixando-vos exemplo para seguirdes os seus passos, o qual não cometeu pecado, nem dolo algum se achou em sua boca; pois ele, quando ultrajado, não revidava com ultraje; quando maltratado, não fazia ameaças, mas entregava-se àquele que julga retamente.

A falta de perdão deve ser encarada como pecado contra a santidade de Cristo. É uma afronta ao sacrifício perfeito do Senhor Jesus. Uma pessoa que recusa a perdoar desconhece completamente o significado da obra do Calvário. Está cheia de si mesma e de direitos, que não consegue enxergar o abismo em que se encontra. Que pecado alguém poderia cometer contra mim que pudesse ser maior do que o meu próprio pecado diante de Deus? É por isso que o nosso Pai celestial não está procurando pessoas cheias de virtudes cristãs, Ele busca ansiosamente ver o Seu Filho revelado e sendo formado em cada um de nós. Portanto, com a vida de Cristo habitando e crescendo em nós, somos livres para perdoar, assim como Deus já nos perdoou em Cristo. Antes, sede uns para com os outros benignos, compassivos, perdoando-vos uns aos outros, como também Deus, em Cristo, vos perdoou. Efésios4:32. Amém.


Autor: Claudio Morandi
Por Wilmar Antunes


Aliados de satanás


Atente bem para essas três palavras: Orgulho, vaidade, soberba. Se elas estiverem dentro do ser humano, o diabo não tem preocupação com ele, pois ele sabe que isso foi a queda dele (do diabo), e com certeza, será a queda de todos os que deixarem isso entrar no coração. Orgulho, vaidade e soberba tem sido a destruição de milhões de crentes em toda a terra, e acredite Deus não colocou isso dentro do homem. Deus não iria colocar algo dentro homem para destruí-lo e sim, para edificá-lo. Então, sendo assim, eu acredito firmemente, que Orgulho, vaidade e soberba, provêm do diabo. E ele tem passado essa idéia, como na rebelião (Ez 28:11-19), a todos os homens, desde Adão e Eva (Gn. 3), e tem chegado até aos nossos dias. Eu sei que nesse momento em que lideres (Bispos, Pastores e etc... .) estejam lendo esse estudo vão dizer: O diabo não pode possuir a mim, pois tenho o Espírito de Deus. E eu irei responder: É verdade o diabo não pode possuir quem tem o Espírito de Deus, sem dúvidas! Jamais pode nem poderá; mas ele está a todo instante lançando idéias, e isso tem sido a queda de muitos líderes e membros das igrejas em toda a terra. Pois as pessoas se esquecem fácil, quem eram, de onde vieram, e o que Deus as tornou; Eu disse, Deus as tornou em Cristo Jesus, e deixam as sugestões do diabo com facilidade encontrar espaços em suas mentes.


O que é Orgulho? O que ele causa na pessoa?
É a sugestão que o diabo lança na mente do ser humano para fazer com que a pessoa se admire, se auto-idolatre, se ache soberana, insubstituível, incomparável, como o diabo pensou um dia, antes da queda dele (Ez. 28). O que causa: Deixa a pessoa prepotente, arrogante, afastada e destacada dos outros, pois acha que não existe ninguém melhor que ela, e isso, com certeza meu amigo, é queda na certa, como foi a queda de satanás.


Vaidade: Significa querer aquilo que não é necessário, aquilo de que não precisa João Batista disse: “Importa que ele cresça e eu diminua” (Jo 3:30).

Muitos têm se preocupados em aparecer e se exibir, como se a aparência pudesse transformar a vida de alguém. Quem tem que aparecer é Jesus e não nós, se é que Jesus está na sua vida de fato!

O que transforma a vida das pessoas é a poderosa Palavra de Deus, que as pode fazer nascer de novo, (Jo 3:1-6) e não o exibicionismo, como temos visto nos últimos dias. Principalmente, de lideranças querendo status (coisa mundana), de pop star; Dão autógrafos, querem camarins particulares, e isso sem falar na fortuna que cobram para pregar a Palavra de Deus. Mas também, eles encontram sempre trouxas para pagar, só que não pagam dos seus bolsos, tiram dos Dízimos e Ofertas. Também, a esses, sua hora vai chegar! Fazem isso, quando na verdade Jesus nos deu de graça e mandou-nos dar de graça; mas são mercenários, ladrões, hipócritas, diabólicos como Pedro fala em (2Pe. 2). Então, esse tipo de gente não tem parte no reino de Deus, e eu conheço muitos assim.


Soberba: Veja o que diz Tiago 4:6: “Deus resiste aos soberbos, dá, porém, graças aos humildes”. Soberba é o contrário da humildade. Enquanto humildade significa reconhecimento, Soberba significa nunca reconhecer. As pessoas deixam os seus corações se encherem a tal ponto de arrogância, que acham que tudo o que têm vêm delas mesmas. Que elas são as fontes de tudo e que são boas demais. Então a esses tais, a Bíblia diz como no texto do apóstolo Tiago, acima citado. Deus lhes resiste, Deus não está com eles, estão entregues à própria sorte e a destruição desse tipo de pessoa é certa; como também, através da vaidade e orgulho, ambos andam de mãos dadas. Cuidado! Ambos têm matado mais pessoas do que o diabo, pois, orgulho, vaidade e soberba, foram gerados por ele (satanás).

Agora eu te pergunto: Você já aprendeu a identificar onde Deus está e onde Ele não está? O que é igreja e o que é palco de palhaços orgulhosos, vaidosos e soberbos? Porque as igrejas estão caídas? (refiro-me as que deixaram a Palavra). Como identificar se uma liderança foi levantada por Deus ou pelos homens?


Se existem dúvidas em você, entre em contacto com o Espírito do Senhor, e Ele te mostrará a verdade. Se você quiser a verdade, porque tem gente que prefere continuar dentro destes antros de prostituições, que tem título de igreja, mas que a muito, estão reprovados por Deus.

Meu conselho para você é: Leia a Bíblia sempre! Não despreze a Bíblia por nada! Ore em todo lugar e tempo (I Ts5:17), e ande firmado, somente no que Jesus falou e terás uma vida de vitórias.


Autor: Pr.Carlos André
Por Wilmar Antunes

terça-feira, 7 de junho de 2016

O Que Entender Por Vida Abundante?


Em nossos dias vê-se um crescimento vertiginoso de templos e de seguidores de crenças e crendices, o que sugere que haverá fé na terra quando da volta de Cristo, porém, após entender que a fé que Jesus faz referencia não tem relação com as crenças que os homens depositam em lideres religiosos, ídolos, promessas vazias, autoajuda, etc., antes diz da fé que foi manifesta e trouxe salvação a humanidade que jazia em trevas, a pergunta de Jesus acerca da fé na terra quando da sua volta permanece sem uma resposta objetiva “Mas, antes que a fé viesse, estávamos guardados debaixo da lei, e encerrados para aquela fé que se havia de manifestar” ( Gl 3:23 ; Jo 1:1 e 14 ).

“Eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância” ( Jo 10:10 )

Para compreender como alcançar a vida abundante prometida por Cristo e no que esta consiste faz-se necessário reler alguns versos bíblicos, como este de Deuteronômio: “... de tudo o que sai da boca do SENHOR viverá o homem” ( Dt 8:3 ); “Na verdade, na verdade vos digo que aquele que crê em mim tem a vida eterna” ( Jo 6:47 ).

O profeta Moisés deixa claro que é a palavra de Deus que concede vida ao homem. A vida não é proveniente do alimento diário, pois do alimento diário está escrito que o homem comerá do suor do seu rosto e, por fim voltará ao pó da terra “Do suor do teu rosto comerás o teu pão, até que te tornes à terra; porque dela foste tomado; porquanto és pó e em pó te tornarás” ( Gn 3:19 ).

O alimento diário não livra o homem do seu destino: és pó e em pó te tornarás, mas na palavra de Deus tem-se a promessa de vida. Se a palavra de Deus é o que concede vida, segue-se que o homem alienado da palavra encontra-se morto diante de Deus, como atesta o apóstolo Paulo: “Estando nós ainda mortos em nossas ofensas ...” ( Ef 2:5 ).

O povo de Israel se fixava em questões circunstanciais e materiais pertinentes à sobrevivência física no deserto, porém, Moisés emitiu um alerta ao povo de que foram contristados no deserto para que entendessem que o que sai da boca de Deus concede vida aos que jazem alienados d'Ele ( Dt 8:3 ).

O povo de Israel devia buscar a palavra de Deus para suprir-lhe a deficiência espiritual, porém, buscava a Deus somente em virtude das necessidades diárias, tais como a água no deserto, carne, maná, roupa, etc., o que não produz vida “Vossos pais comeram o maná no deserto, e morreram” ( Jo 6:49 ).

O profeta Habacuque vaticinou que '… o justo viverá da fé' ( Hc 2:4 ), apontando a mesma verdade abordada por Moisés, ou seja, o homem que vive através da palavra de Deus é declarado justo diante d'Ele.

Quando mesclamos a citação de Habacuque com a de Deuteronômio, temos a seguinte leitura 'O homem justo viverá de toda a palavra que sai da boca de Deus (fé)', pois a 'fé' que o profeta Habacuque apresenta é Cristo, a fé que havia de se manifestar, a 'palavra da boca de Deus' “Mas, antes que a fé viesse, estávamos guardados debaixo da lei, e encerrados para aquela fé que se havia de manifestar” ( Gl 3:23 ; Jo 1:1 e 14 ).

Jesus mesmo disse que as suas palavras são espírito e vida: “... as palavras que eu vos disse são espírito e vida” ( Jo 6:63 ) e, o evangelho é o poder de Deus que vivifica o homem “O qual nos fez também capazes de ser ministros de um novo testamento, não da letra, mas do espírito; porque a letra mata e o espírito vivifica” ( 2Co 3:6 ). O espírito que vivifica refere-se a palavra de Deus, a fé que havia de se manifestar: Cristo!

Cristo, o Verbo encarnado, é a 'fé' que justifica o homem, pois é Ele quem vivifica a quem quer “Pois, assim como o Pai ressuscita os mortos, e os vivifica, assim também o Filho vivifica aqueles que quer” ( Jo 5:21 ); “Porque lhes dei as palavras que tu me deste; e eles as receberam, e têm verdadeiramente conhecido que saí de ti, e creram que me enviaste” ( Jo 17:8 ).

O espírito que vivifica é a fé que se manifestou trazendo salvação aos homens. Enquanto Adão foi criado alma vivente, Cristo foi feito espírito vivificante ( 1Co 15:22 e 45 ). A vida concedida aos que creem possui conexão intima com a ressurreição de Cristo dentre os mortos "Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo que, segundo a sua grande misericórdia, nos gerou de novo para uma viva esperança, pela ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos" ( 1Pe 1:3 ).

Desta forma podemos compreender a seguinte exposição paulina: “E qual a sobre-excelente grandeza do seu poder sobre nós, os que cremos, segundo a operação da força do seu poder, Que manifestou em Cristo, ressuscitando-o dentre os mortos, e pondo-o à sua direita nos céus” ( Ef 1;19 -20). A grandeza do poder sobre os cristãos se dá segundo a operação do seu poder, ou seja, do evangelho, que é poder de Deus ( Rm 1:17 ), o mesmo poder que foi manifesto em Cristo ressuscitando-o dentre os mortos.

A proposta central do evangelho de Cristo centra-se na ressurreição do Messias dentre os mortos e, como Jesus ressurgiu, a fé é firme, pois o poder que n'Ele operou, agora opera nos que creem.

O salmista também faz referência à palavra de Deus como ente vivificador por diversas vezes: “A minha alma está pegada ao pó; vivifica-me segundo a tua palavra” ( Sl 119:25 e vv. 37, 40, 88, 107, 154, 156,159), comprovando que o testemunho dos profetas é segundo o Espírito de Cristo “Indagando que tempo ou que ocasião de tempo o Espírito de Cristo, que estava neles, indicava, anteriormente testificando os sofrimentos que a Cristo haviam de vir, e a glória que se lhes havia de seguir” ( 1Pe 1:11 ); “E o testemunho é este: que Deus nos deu a vida eterna; e esta vida está em seu Filho” ( 1Jo 5:11 ).

Para se alcançar a vida abundante que Cristo prometeu basta crer, apoiar-se, descansar, confiar na fé revelada. O apóstolo João enfatizou: “E esta é a promessa que ele nos fez: a vida eterna” ( 1Jo 2:25 ). Todos quantos descansam nesta esperança proposta alcançaram a vida eterna “Para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” ( Jo 3:15 ); “Na verdade, na verdade vos digo que aquele que crê em mim tem a vida eterna” ( Jo 6:47 ); “Respondeu-lhe, pois, Simão Pedro: Senhor, para quem iremos nós? Tu tens as palavras da vida eterna” ( Jo 6:68 ); “Para que, sendo justificados pela sua graça, sejamos feitos herdeiros segundo a esperança da vida eterna” ( Tt 3:7 ); “Para que por duas coisas imutáveis, nas quais é impossível que Deus minta, tenhamos a firme consolação, nós, os que pomos o nosso refúgio em reter a esperança proposta; A qual temos como âncora da alma, segura e firme, e que penetra até ao interior do véu...” ( Hb 6:18 -19).

Basta ao homem dar ouvido à palavra de Cristo que passará da morte para a vida “Em verdade, em verdade vos digo que quem ouve a minha palavra e crê n'Aquele que Me enviou, tem a vida eterna e não entra em juízo, mas passou da morte para a vida” ( Jo 5:24 ).

A morte que Cristo faz referência diz da condição do homem alienado da vida que há em Deus em decorrência da desobediência de Adão. Tal morte não faz referência à morte física, antes diz da condição do homem na condição de trevas enquanto Deus é luz “Porque assim como a morte veio por um homem, também a ressurreição dos mortos veio por um homem. Porque, assim como todos morrem em Adão, assim também todos serão vivificados em Cristo” ( 1Co 15:21 -22).

A vida com Cristo diz da nova condição do homem unido ao Criador. Por ter sido gerado de novo, da semente incorruptível, que é a palavra de Deus, o homem passa a compartilhar da glória de Deus. Qualquer que crê em Cristo passou da morte para a vida, ou seja, vive pelo Espírito, vive pela fé “Se vivemos pelo Espírito, andemos também pelo Espírito” ( Gl 5:25 ); “O vento assopra onde quer, e ouves a sua voz, mas não sabes de onde vem, nem para onde vai; assim é todo aquele que é nascido do Espírito” ( Jo 3:8 ; Hc 2:4 ).

Vida dentre os mortos! É isto que Cristo promete e, é por isso que o cristão deve regozijar-se, visto que o seu nome está escrito no livro da vida “... alegrai-vos antes por estarem os vossos nomes escritos nos céus” ( Lc 10:20 ). Essa é a esperança proposta, a vida eterna, portanto, o cristão deve se alegrar nela ( Rom 12:12 ). Cristo nos ofereceu a vida no sentido de o homem compartilhar da natureza divina, estar unido à glória de Deus “E eu dei-lhes a glória que a mim me deste, para que sejam um, como nós somos um” ( Jo 17:22 ).

Porém, muitos cristãos são atraídos pelo adjetivo pertinente a vida concedida por Cristo ( Jo 10:10 ). Por vida em abundância interpretam 'qualidade de vida' econômica e social, e se esquecem que o reino de Deus não é comida nem bebida “Porque o reino de Deus não é comida nem bebida, mas justiça, e paz, e alegria no Espírito Santo” ( Rm 14:17 ).

Há também aqueles que apregoam que a vida 'abundante' ofertada por Cristo tem em vista o alívio dos sofrimentos causados pela pobreza, enfermidades, condições opressoras de trabalho, injustiças sociais, abusos dos direitos civis, etc., e que a vida prometida por Cristo tem em vista uma melhoria das questões de ordem moral. Chegam ao ponto de afirmar que a vida é para a eternidade e a vida em abundância é promessa para o presente momento, contrariando o que Cristo falou: no mundo tereis aflições ( Jo 16:33 ).

Em que consiste a abundância? Jesus disse: “Eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância” ( Jo 10:10 ), essa promessa que Ele fez é a de vida eterna, e a vida eterna é abundante.

Por certo, não se refere às condições existenciais do homem, pois todos tem uma expectativa de viver até os setenta anos, sendo que o que disso passar é canseira e enfado. Além disto, o homem comerá do suor do seu rosto, o que implica em enfado e cansaço "Os dias da nossa vida chegam a setenta anos, e se alguns, pela sua robustez, chegam a oitenta anos, o orgulho deles é canseira e enfado, pois cedo se corta e vamos voando" ( Sl 90:10 ).

Ora, os que creem serão fartos de justiça, visto que é isto que Jesus oferece “Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque eles serão fartos” ( Mt 5:6 ). Como a salvação proporcionada redunda em louvor a graça de Deus, certo é que os cristãos são fartos de alegria “E vós com alegria tirareis águas das fontes da salvação” ( Is 12:3 ). Na vida com Cristo há fartura de alegria, justiça, consolo, paz, etc.

A vida abundante refere-se ao que o reino de Deus proporciona: justiça, paz e alegria no Espírito Santo “Porque o reino de Deus não é comida nem bebida, mas justiça, e paz, e alegria no Espírito Santo” ( Rm 14:17 ), pois em tudo os cristãos foram enriquecidos: “... em toda a palavra e em todo o conhecimento” ( 1Co 1:5 ); “Para que os seus corações sejam consolados, e estejam unidos em amor, e enriquecidos da plenitude da inteligência, para conhecimento do mistério de Deus e Pai, e de Cristo” ( Cl 2:2 ).

O apóstolo Paulo enfatiza que os cristãos são abençoados com todas as bênçãos espirituais “Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o qual nos abençoou com todas as bênçãos espirituais nos lugares celestiais em Cristo” ( Ef 1:3 ), e o salmista diz que nada tem falta os que O temem "Temei ao SENHOR, vós, os seus santos, pois nada falta aos que o temem" ( Sl 34:9 ).

Se a vida abundante refere-se às questões de ordem econômica e social, jamais Cristo alertaria para que os seus ouvintes não se inquietassem pelo dia de amanha "Não andeis, pois, inquietos, dizendo: Que comeremos, ou que beberemos, ou com que nos vestiremos?" ( Mt 6:31 ), pois os bens que um homem possui não consiste em riquezas "E disse-lhes: Acautelai-vos e guardai-vos da avareza; porque a vida de qualquer não consiste na abundância do que possui" ( Lc 12:15 ).

Porque Jesus prometeria riquezas pertinentes a este mundo, se os cuidados deste mundo tornam infrutíferos os homens, o que poderá levá-los a serem cortado da Oliveira? "Mas os cuidados deste mundo, e os enganos das riquezas e as ambições de outras coisas, entrando, sufocam a palavra, e fica infrutífera" ( Mc 4:19 ).

É por causa destes pseudo evangelhos que hoje muitos apregoam e seguem, que Jesus fez a pergunta: "Quando porém vier o Filho do homem, porventura achará fé na terra?" ( Lc 18:8 ).

Em nossos dias vê-se um crescimento vertiginoso de templos e de seguidores de crenças e crendices, o que sugere uma resposta positiva. Porém, após entender que a fé que Jesus faz referencia não tem relação com as crenças que os homens depositam em lideres religiosos, ídolos, promessas vazias, autoajuda, etc., antes diz da fé que foi manifesta trazendo salvação a humanidade que jazia em trevas, a pergunta de Jesus acerca da fé na terra quando da sua volta permanece sem uma resposta objetiva “Mas, antes que a fé viesse, estávamos guardados debaixo da lei, e encerrados para aquela fé que se havia de manifestar” ( Gl 3:23 ; Jo 1:1 e 14 ).

Autor: Claudio Crispim
Divulgação: EstudosGospel.Com.BR
Por Wilmar Antunes

terça-feira, 3 de maio de 2016

Estudo Bíblico Liberdade Condicional

A liberdade é o anseio dos indivíduos e nações. É a bandeira de partidos e movimentos sociais. O slogan da Revolução francesa foi “Liberdade, igualdade, fraternidade”. Até nas famílias, encontramos a mesma busca. A liberdade é a causa de conflito entre muitos jovens e seus pais. O filho quer ser livre cada vez mais cedo. Deseja tomar suas próprias decisões, fazer o que quiser, ir aonde quiser, chegar à hora que bem entender, se quiser chegar. (Quer pagar as contas também? Não. Aí já é exagero).

A luta pela libertação é compreensível em muitos casos, mas o fato é que o ser humano nunca está satisfeito com a liberdade que possui. Quer sempre mais.

O evangelho também está voltado para este tema. Jesus libertou muitas pessoas e continua libertando, mas ele liberta de quê? Dos poderes das trevas, de Satanás, dos demônios, enfim das prisões derivadas do pecado. Não é sua proposta alibertação política, social e econômica, embora o cristianismo possa, indiretamente, afetar estas áreas.

Jesus nunca pregou liberdade absoluta. No capítulo 10 do evangelho de João, ele comparou seus seguidores às ovelhas. O abrigo das ovelhas é o aprisco, um tipo de curral. Ele possui limites, tem liderança, regras, ordem e horários. Isso pode ser incômodo para algumas pessoas, mas desde o princípio, a liberdade proposta por Deus ao homem tinha alguma restrição. “De toda árvore do jardim podes comer livremente, mas da árvore do conhecimento do bem e do mal, dessa não comerás; porque no dia em que dela comeres, certamente morrerás” (Gn.2.16-17). .

As cercas do aprisco são restrições? Sim, mas também são proteções. O aprisco pode ser comparado à igreja, onde o cristão encontra ensinamento, orientação e disciplina. Alguns fugirão de lugares assim, dizendo: “Estão querendo me controlar”. Certamente, é preciso tomar cuidado com manipuladores, pessoas mal intencionadas que agem em nome de Deus, mas, por outro lado, ovelha precisa de pastor.

Alguém pode dizer que o aprisco é uma prisão. Esta é a doutrina do lobo. Quantos lobos você conhece? Eles vivem incentivando sua “libertação”. Parecem bons “amigos”.O lobo quer que a ovelha seja “livre”. Até parece que está defendendo os interesses dela. O lobo deseja que as ovelhas vivam soltas e isoladas, pois assim fica mais fácil capturá-las. Ovelha desgarrada cai nas garras do predador. É o caso dos crentes sem igreja, ovelhas sem rebanho, sem pastor, “avulsas”, independentes. Você encontra ovelhas andando sozinhas pelas ruas como se fossem cães? Não. A busca por uma liberdade plena produz pessoas sem compromisso. Muitas delas desejam relacionamentos sem vínculo, do tipo sexo livre e namoro sem casamento.

Por incrível que pareça, Satanás oferece liberdade. Para isso, ele usa pessoas, como os falsos mestres citados por Pedro (2Pd.2.19). Muitos usam sua liberdadepara fumar, embebedar, usar drogas, prostituir, adulterar. O resultado de tudo isso é, paradoxalmente, algum tipo de prisão moral e espiritual. Por outro lado, aqueles que estão comprometidos com Cristo, deixam de fazer muitas coisas simplesmente para não serem escravizados por elas. A pretensa liberdade de muitos é um largo caminho que os conduz à destruição.

Lugar de ovelha é no aprisco, mas ela não passa a vida lá dentro. O aprisco tem muros, mas também tem portas. As ovelhas saem aos campos e pastos verdejantes (Salmo 23), mas isto só acontece na hora certa. Não será no meio da noite, na hora das trevas. Existe um tempo apropriado para todo propósito. Deus tem uma ocasião propícia para atender às nossas necessidades.

A liberdade que muitos almejam pode ser apenas uma questão de tempo. Existe um processo de libertação do ser humano: Primeiro o útero, depois o colo, o berço, andar pela casa, correr na escola e depois nas ruas. Adiantar etapas é precipitação e loucura.

A ovelha só sai do aprisco em companhia do pastor (João 10.4). Ela só deve ir aonde o pastor vai. Fora deste parâmetro, a jornada torna-se muito perigosa. Será que Jesus, o sumo-pastor, entra conosco onde decidimos entrar?

Todos querem ser livres, mas não existe liberdade absoluta. Ela é semprerelativa e condicional. Desemprego é liberdade, mas milhões estão querendose livrar dele. Solterice é liberdade, mas a maioria dos solteiros quer se prender aos laços matrimoniais. Estar sem casa, sem teto e sem terra, é liberdade, mas ninguém deseja viver assim.

Certa vez, Jesus disse: “Tomai sobre vós o meu jugo”. Esta é sua proposta para nós. Não sejamos independentes dele. Está escrito que “tendo sido libertos do pecado, tornamo-nos servos da justiça” (Rm.6).

Os mandamentos de Deus para nós podem parecer restritivos, mas devemos vê-los como cercas à beira do abismo. Desconsiderá-los pode ser fatal. Obedecê-los é a nossa segurança.


Autor: Pr. Anísio Renato de Andrade
Por Wilmar Antunes

domingo, 3 de janeiro de 2016

ENXUGUE SUAS LÁGRIMAS


Enxugue Suas Lágrimas

Deus fez as lágrimas com um propósito muito especial, através delas expressamos os sentimentos mais profundos do nosso ser. Por mais amados que sejamos para Deus, Ele permite passarmos por momentos em que o choro, torna-se inevitável. Davi pronunciou em um de seus Salmos: “Já estou cansado do meu gemido, toda a noite faço nadar a minha cama; molho o meu leito com as minhas lágrimas” Sl 6:6.

A tristeza, contudo, não deve ser senhora de nós, porque ao nos entregarmos as situações de derrota, ficamos impossibilitados de agir com fé. A fé em CristoJesus, nos livra de “morrermos na fornalha”: “Então Nabucodonosor se encheu de furor e mudou-se o aspecto de seu semblante contra Sadraque, Mesaque e Abdenego; falou e ordenou que a fornalha se aquecesse sete vezes mais do que se costumava aquecer” Dn 3:19.

Parecia uma situação insuportável, invencível. Em nossas vidas, temos momentos assim, em que as provações vêem com força dobrada, e aos olhos naturais, o desânimo pode nos derrubar, antes mesmo de “adentrarmos no fogo”. É só o começo da história, e já confessamos: “Não vou conseguir, não suporto”. Isto não acontece só com você, acontece comigo e aconteceu com grandes homens deDeus. A fornalha não consumiu a Mesaque, Sadraque e Abdenego, eles saíram sãos e salvos. "Quando passares pelo fogo, não te queimarás, nem a chama arderá em ti" Is 40:2. Não estamos livres da prova, mas em Jesus, encontraremos ânimo para vencê-la.

Já reguei muitas vitórias, com lágrimas e mais lágrimas. Porém, em meio às circunstâncias, uma Palavra de Deus, um canto de louvor, arrancado do adormecimento da alegria, me fez renovar as forças. O profeta Jeremias, em suas Lamentações declarou: “Já pereceu minha força e a minha esperança no Senhor. Lembra-Te da minha aflição e do meu pranto, do absinto e do fel. Minha alma certamente disto se lembra, e se abate dentro de mim.” Lm 3:19-23.

Você pode imaginar um profeta, ungido, amigo de Deus, fazendo tal declaração? É que não somos os únicos a experimentarmos tristeza e sentimento de fracasso. Pode ser que tenhamos chegado a tal situação por conta de pecado, ou, a exemplo do justo Jó, estamos sendo provados pelo inimigo. Não sei. Tudo que sei é que em qualquer situação Jesus é a solução. Jó, em meio a mais profunda dor, declarou: “Eu sei que o meu Redentor vive, e que por fim, se levantará de sobre a terra” Jó 19:25

Jeremias, em meio ao caos, entre cadáveres, e destruição por ocasião do cativeiro Babilônico ergue o espírito a Deus e diz: “Bom é o Senhor para os que esperam Por Ele, para a alma que o busca. Bom é ter esperança e aguardar em silêncio a salvação do Senhor” Lm 3:25, 26. Nossa fé, não está firmada em argumentos naturais, porque estes são incapazes de produzir livramento. Do alto, é que vem o socorro. É para lá que devemos voltar nosso olhar.

Ainda que nuvens pesadas, carregadas de nebulosidade, escondam o límpido azul e o brilho do sol. Elas não ficarão lá para sempre. Nosso olhar deve alcançar essa visão impossível. Com os olhos da fé, que revelam o instransponível. Precisamos, nos levantar do leito molhado, encharcado de lágrimas e nos colocarmos de pé, acima das circunstâncias. Foi isso que Deus ordenou ao profeta Ezequiel: “E disse-me: Filho do homem põe-te em pé e falarei contigo” Ez 2:1

Onde estava Ezequiel nessa hora? “E aconteceu que estando eu no meio dos cativos, junto ao Rio Quebar, se abriram os céus, e eu tive visões de Deus” Ez 1:1. Ele estava no meio dos cativos, entre sofrimento, choro e falta de esperança, mas as margens do Quebar, ousou olhar para o céu e viver as visões de Deus. Ezequiel não deveria se entregar àquelas circunstâncias de derrota, desgraça. Mas buscar força e conforto no Senhor. “Filho do homem, te põe de pé”. Deus estava dizendo: “Sei que és carne, homem, filho de homem, mas vence Ezequiel, te põe de pé e falarei contigo”. Vence Ezequiel, não se abate, olha além, de tudo que te rodeia, vive as visões que te mostrarei.

E a Palavra diz: “Entrou em mim o espírito e me põs em pé, e ouvi o que me falava” Ez 2:2. Entregue ao Senhor, Daniel viu o que ninguém mais viu naquele campo de refugiados. Tudo porque seu olhar se elevou ao céu! Seu ser buscou respostas e conforto no alto. Ele não viu desilusão e morte, mas visão de Deus, que lhe dizia ser possível a restauração, um novo começo.

Revestido de forças, Ezequiel foi atalaia para casa de Israel. Ele enxugou suas lágrimas! Extraiu força, de onde parecia não haver. Ele viu céus abertos, enquanto, o odor de cadáveres pairava no ar, o pranto, choro, lamento e murmúrios. Ele foi para as margens do Rio Quebar, olhar o céu, conversar comDeus, buscar alento, no que foi ouvido. Se refugie, às margens do Quebar. Deusé o que enxuga suas lágrimas.

Entoe um cântico novo, uma melodia de agradecimento por todas as vitórias, acrescente o agradecimento, por esta última vitória que você precisa alcançar. Eleve o olhar, se ponha de pé, não se entregue as circunstâncias, porque elas não são maiores que o amor que Deus sente por você. Habacuque, também foi outro grande homem de Deus que viu a seca, e a destruição assolarem sua terra. Ele estava lá, naquela fornalha, aquecida sete vezes, em meio à corrupção, fome... angustiado volta-se para Deus :” Por que me fazes ver a opressão?” Hc 1:3

Deus lhe responde: “Eis que realizo uma obra maravilhosa em vossos dias” HC 1: 5. Como assim, maravilhosa? Não é isto que vejo. A verdade é que não era aquilo que Deus queria que ele visse! Habacuque deveria olhar para “o céu junto ao rio Quebar”, e ver as visões de Deus. Tudo aquilo haveria de passar, e um tempo de paz e prosperidade chegaria. Aquelas circunstâncias, não eram eternas. Habacuque precisaria manter o ânimo, enxugar o pranto.

Enxugue suas lágrimas, há visões de Deus, nas margens do Rio Quebar. O Senhor é a nossa força. Somos apenas homens, falhos e frágeis, mas Ele nos ergue acima das tribulações. Olhe para o céu, não desanime. Tudo haverá de passar, dando lugar a um novo tempo: "Espera no Senhor, anima-te, e Ele fortalecerá o teu coração; espera, pois no Senhor" Sl 27:14.

Em Cristo

Autor: Wilma Rejane
Por Wilmar Antunes

VIDA CRISTÃ ABUNDANTE


Vida Cristã Abundante 


Aspectos fundamentais da vida cristã
Apocalipse 11.1 afirma: “E foi-me dada uma cana semelhante a uma vara: e chegou o anjo, e disse: Levanta-te, e mede o templo de Deus, e o altar, e os que nele adoram”. Essa expressão subtende níveis de vida espiritual. Deus deseja que vivamos uma vida cristã abundante (Jo 10.10; 7.38,39; Ef 5.18-21).

Ezequiel 47.5 fala das águas que “eram profundas; águas que se deviam passar a nado; ribeiro pelo qual não se podia passar”. Deus quer que cheguemos a esse nível em nossa vida espiritual. Ele deseja que vivamos uma vida cristãabundante, profunda, frutífera, vitoriosa em Cristo.

O crente e a salvação
Em Tito 2.11, vemos que a sa1vaçao pela graça de Deus é anunciada para todos os que quiserem. Em Tito 3.4,5, aprendemos que a salvação é recebida (“nos salvou”, v5). E em Hebreus 6.9, lemos que a salvação traz consigo muitas riquezas. O escritor bíblico fala de “coisas que acompanham a salvação”. Há bênçãos de Deus contínuas para aqueles que estão em Cristo.

E por falar em salvação, devemos nos lembrar da nossa responsabilidade de proclamá-la. O crente deve falar da salvação em Cristo todos os dias (Sl 71.15).

O crente e a Palavra de Deus
Se queremos ter uma vida cristã abundante, devemos meditar na, obedecer a e viver a Sagrada Escritura. A Palavra de Deus é “lâmpada para os meus pés” (isto é, agora) e também “luz para o meu caminho” (isto é, minha vida em continuação) (Sl 119.105).

Em Salmos 119.11, lemos que a Palavra de Deus nos guarda do pecado (e não no pecado). A Palavra de Deus “é viva e eficaz” (Hb 4.12). Ela é poderosa (Jr 23.29).

Todo crente deve ler a Bíblia todos os dias se quer crescer em Deus (Dt 17.18,19; Js 1.7; Ne 8.18; Sl 1.2; At 17.11).

O crente deve ter o conhecimento da Palavra de Deus (no seu intelecto) e o apego e obediência à Palavra (no seu coração) (Jo 8.32; Hb 8.10; Hb 10.16).

O crente, a oração e o jejum
1) O crente deve perseverar em oração, sem desfalecer (Lc 18.1).
2) Se você é um santo do Senhor, então ore! (Sl 32.6).

3) Efésios 6.18 nos mostra como deve ser nossa vida de oração:
a) Oremos sempre (“orando em todo o tempo”).
b) Oremos diversamente. Há muitas formas de oração a Deus (“com todaoração e súplica”).
c) Oremos “no Espírito”. Isto é, oremos através do Espírito Santo. Em outras palavras: não se consegue, sozinho, orar mesmo. Orar mesmo, só com a ajuda e a agência do Espírito Santo dentro de nós (Rm 8.26,27; Jd v20).
d) Oremos vigiando (“e vigiando nisto”). Isto é, oremos em estado de alerta espiritual, porque há um Diabo contra a oração, e contra quem ora.
e) Oremos com perseverança, sempre continuando (“com toda a perseverança e súplica”).
f) Oremos com amor, sem discriminação; oremos até mesmo pelos nossos oponentes (“por todos os santos”).

O crente deve orar cada dia) Salmos 88.9: “Tenho clamado a Ti todo o dia”.
b) Disse Jesus “quando orares”, e não “se orares” (Mt 6.6).
c) Disse Jesus “quando jejuares”, e não “se jejuares” (Mt 6.12).

O crente e o Espírito Santo
a) O Espírito Santo age na conversão do pecador e na vida cristã subsequente (Jo 3.3-8; 16.8-11; 14.16,17,20; Rm 8 [todo]; 1Jo 4.1).
b) O batismo com o Espírito Santo (Lc 24.49; At 1.5; 2.1-4,38; 10.44-46; 19.2-7).
c) Os dons do Espírito Santo (1Co 12.1-11,28-31; 14 [o capitulo todo]; Rm 12.6-8).
d) A vida do crente é sempre avivada e renovada no Espírito Santo (2Co 4.16; Tt 3.5; Ef 5.18-21). 2 Timóteo 1.6 afirma “que despertes”. No grego, é “ana/zoo/pireo”, que é “reaviva em ti o fogo do Alto".

O crente e o cuidado com a sua fé
a) Hebreus 11.6: “Sem fé é impossível agradar a Deus”.
b) Romanos 1.17 : “O justo viverá da fé”.
c) Mateus 17.20: “Se tiverdes fé como um grão de mostarda...”.
d) Lucas 8.25: “Onde está a vossa fé?”.
e) Marcos 11.22: “Tende fé em Deus”.
f) Romanos 4.20: Abraão “foi fortificado na fé, dando glória a Deus”.
g) Hebreus 11.4-39: “Pela fé (...)”. Todos os homens e mulheres de Deus, referidos em Hebreus 11, tiveram um traço espiritual comum entre eles e Deus: a fé (“pela fé”).

O crente e a doutrina bíblica
a) A doutrina é a base fundamental e inicial em que a igreja deve apoiar-se (At 2.42).
b) Jesus levou aproximadamente um terço do Seu ministério terreno doutrinando (Mt 4.23; 9.35; Mc 14.49 – Nestas três passagens, “ensinando” e “doutrinando”, literalmente).
c) Sobre a igreja e a doutrina (At 5.42; 1Tm 4.6,16; 2Tm 4.2; Tt 1.9; 2.1), se na igreja houver omissão e/ou corrupção na doutrina haverá também corrupção no culto, nos seus elementos e no seu conteúdo.

O crente e a sua santificação
a) Há a santificação posicional do crente (a santificação “em Cristo”: 1Co 1.2; 6.11; Fp 1.1; 3.15; C1 2.10; Hb 10.10).
b) Mas há também a santificação subjetiva do crente, isto é, sua santificação pessoal e progressiva, no seu viver diário, aqui e agora (Lv 20.7; 11.44; Lc 1.75; 2Co 7.1; 1Ts 5.23; 1Pe 1.15,16; 2Co 3.17,18; Hb 10.14 [ver no grego]; 12.14; Fp 3.12; 1Jo 1.7,9; cf. Ez 24.13).
c) O crente deve viver em santidade e justiça cada dia (Lc 1.75).

O crente e sua adoração ao Senhor
Sobre o nosso culto ao Senhor:
a) Devemos louvar e adorar ao Senhor (2Cr 29.30).
b) O culto depende de haver sacrifício (2Cr 29.27 c/c Rm 12.1).
c) Cultuar a Deus conduz-nos à vitória (1Cr 17.16-18.1; ler também Salmos 95.6; 96.1-9; e Isaías 43.21).
d) Deus busca primeiramente adoradores, antes da adoração (Jo 4.23).
e) O crente deve adorar ao Senhor em cada dia (Sl 145.2; 61.8; 96.2; 2Cr 8.14).

O crente e o trabalho para Deus
Aqui vemos o crente como servo do Senhor; é o crente e sua diaconia. O crente torna-se filho de Deus pela fé (Jo 1.12,13) e torna-se servo de Deus por amor (2Co 4.5; Êx 21.2-6; Dt 15.16,17). É próprio do amor servir. Quem serve pouco é porque ama pouco. A oração do crente como servo de Deus deve ser: (1) Faz-me um servo BOM; (2) Faz-me um servo FIEL; (3) Faz-me um servo SANTO; (4) Faz-me um servo HUMILDE.

a) O crente e sua mordomia cristã como servo de Deus – De tudo o que somos e temos, somos apenas mordomos (=administradores); o dono mesmo de udo éDeus (Lc 12.42-48; Rm 12.14; 2Co 5.10).
b) Devemos observar: (1) a mordomia do SER inteiro do crente (espírito, alma e corpo) para com Deus; (2) a mordomia dos BENS pessoais do crente para comDeus; (3) a mordomia do TEMPO do crente para com Deus; (4) a mordomia dos TALENTOS do crente para com Deus; (5) a mordomia das FINANÇAS do crente para com Deus (1Cr 29.5; Ml 3.8-10).
c) Mais referências sobre o crente como servo: Mt 24.45-51; 1Co 9.19-23; 4.2; 15.58; Ef 2.10; 2Tm 2.21; 3.17; Fp 2.5-7; Rm 12.1,11; 15.2).
d) O Senhor Jesus como servo (Is 42.1-7; Mt 20.28; Jo 13.1-16 – e, pouco antes, como “rei”, em João 12.13,15). Em Filipenses 2.3-11, vemos Seu supremo exemplo como servo.
e) O crente, como servo, deve trabalhar para o Senhor todos os dias. Em Mateus 21.28, lemos “vai trabalhar hoje na minha vinha”.

Daremos uma breve pausa no assunto aqui e, na segunda parte, falaremos sobre crescimento e maturidade.


Autor: Pr Antonio Gilberto
Por Wilmar Antunes

SUPERSTIÇÕES E HERESIAS


SUPERSTIÇÕES E HERESIAS

Se eu entrar com o pé direito em qualquer lugar, serei vitorioso?
Se você é filho de Deus e nele confia, pode entrar de pé esquerdo, pé direito, com os dois pés, deitado, sentado, de qualquer modo você já é um abençoado.

Se eu subir de joelhos a escadaria de um templo religioso, serei abençoado e ganharei a salvação?
Com certeza, você ficará vários dias sentindo dores nos joelhos, mas não ganhará a salvação. Não somos salvos pelas obras, mas pela fé em Jesus Cristo. Fé e obediência.

Se eu dilacerar meu corpo com açoites, Deus perdoará meus pecados e me salvará?
A única coisa que lhe poderá acontecer é você passar semanas acamado. E talvez ainda seja vítima de uma infeção generalizada. Não somos justificados pelas obras.

E se eu me deixar crucificar, como aconteceu com Cristo?
Ainda assim, se você não se arrepender de suas transgressões e não deixá-las, não receberá o dom da salvação.

Se eu der todos os meus bens aos pobres, ganharei a vida eterna?
Não ganhará desse modo. Pelas obras ninguém será justificado.

Se eu amarrar no braço algumas fitas coloridas e ficar com elas até que apodreçam, meus projetos serão realizados?
Se você entregar seu caminho ao Senhor e nele confiar, Ele satisfará os desejos do seu coração, independente do uso de fitinhas ou de qualquer tipo de amuleto.

Se eu frequentar um templo religioso, participar de todas as reuniões, Deus terá compaixão de mim e serei arrebatado na volta do Senhor Jesus?
Não. Subirão para o céu os que fazem parte da Igreja de Cristo, os salvos e remidos no seu sangue, os que o aceitam como Senhor e Salvador.

Se eu fizer o sacrifício de ler a Bíblia dez vezes, serei salvo?
Você não deve ser apenas ouvinte ou leitor da Palavra, mas praticante. Do contrário, de nada vale conhecer as Escrituras.

Se eu rezar todos os dias cem orações do “Pai Nosso”, Deus derramará sua graça sobre mim?
Se você verbalizar essa oração sem ter fé, de nada lhe valerá. “Sois salvos pela graça, mediante a fé” (Ef 2.8).

Se eu andar cinquenta quilômetros rumo a um templo religioso, terei meus pecados apagados e serei salvo?
Este é sacrifício de tolos.

Se eu jejuar quarenta dias e quarenta noites, ganharei a vida eterna?
Você poderá morrer. Jejum não é caminho para a salvação

Pr. Airton Evangelista da Costa
Por Wilmar Antunes